MÚSICA – A SUBCONSCIÊNCIA

00:05:11

“A Subconsciência” (Augusto dos Anjos/Chico Xavier/Zé Henrique Martiniano) – CD “Número Infinito”

www.portalser.org
www.mecanicadossolos.com.br

CD “Número Infinito” –
poemas
de Augusto dos Anjos, psicografados por Chico Xavier e
musicados por Zé Henrique Martiniano

vendas: www.lojadoser.com.br

“Se Chico Xavier produziu tudo aquilo por conta própria, então ele merece ocupar quantas cadeiras quiser na Academia Brasileira de Letras.” (Monteiro Lobato)

“Francisco Cândido Xavier, no programa “Pinga Fogo”, da TV Tupi, conta o anedótico caso ocorrido em 1931, quando Augusto dos Anjos lhe procura, enquanto ele regava uma horta de alho no crepúsculo, dizendo-lhe que escreveria o que pudesse já que “a cabeça dele (Chico) não aguentava mesmo.”
Os poemas desse imortal ficariam gravados nas luminosas páginas do Parnaso desafiando nossas inteligências, mas a sensibilidade do amigo Zé Henrique Martiniano soube recita-los com notas musicais, atingindo nossa alma pelas portas do coração. E tudo se fez claro, simples e infinito.” (Haroldo Dutra Dias)

“A Subconsciência” (Augusto dos Anjos/Chico Xavier/Zé Henrique Martiniano)

Ficha Técnica:

voz – André de Souza
coral – Coro e Osso
Orquestra de Cordas – Aramis Rocha
violão – Zé Henrique Martiniano
teclados – Walter Jr.
baixo acústico – Franco Lorenzon

arranjos e regência de coral – Luiz Piquera
arranjos e regência de cordas – Ronaldo de Oliveira
arranjos de base – Zé Henrique Martiniano e Walter Jr.

mixagem – Zé Henrique Martiniano, Adriana Gennari e Walter Jr.
produção musical – Zé Henrique Martiniano
direção musical – Adriana Gennari
direção artística – Júlio Corradi e Zé Henrique Martiniano
masterização – Homero Lotito
projeto gráfico – Júlio Corradi, Marina Reis e Portal SER

Gravado nos Estúdios Mecânica dos Solos (Araraquara) por Zé Henrique Martiniano, Criassom (Araraquara) por Walter Jr. e Guidon (São Paulo) por Edielson Aureliano.

Zé Henrique Martiniano – Araraquarense, engenheiro e músico. Estudou violão clássico, música brasileira e jazz com professores da ECA/USP, do Conservatório Estadual de Tatuí, além das aulas com os violonistasJosé da Conceição e Francisco Brasilino, mas é predominantemente autodidata. Compositor, assina a autoria de mais de cem músicas, tendo conquistado importantes premiações em festivais de música pelo país. Acompanhou artistas como Roberto Menescal, Jair Oliveira, Leila Pinheiro e Luciana Mello. Tocou em bandas de baile, bares e grupos de música instrumental.
Fundou em 1999, a banda Mecânica dos Solos, produzindo trabalhos autorais e relentaras da música brasileira e do jazz. O primeiro CD da banda, “Arqueólogo das Estrelas”, com composições de Zé Henrique sobre o universo, mereceu elogios em matéria na revista científica Galileu da editora Globo.
Lançou cinco CDs autorais, com participação de grandes nomes da música brasileira como Leila Pinheiro, Quarteto em Cy, Roberto Menescal, Filó Machado, Orquestra de Tatuí, Paulo Martelli, entre outros.
Em 2014 lança “Número Infinito”, com músicas de sua autoria com base em poemas de Augusto dos Anjos psicografados por Chico Xavier, em comemoração ao centenário de morte do poeta paraibano.

Augusto dos Anjos – Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos (Cruz do Espírito Santo, 20 de abril de 1884 – Leopoldina, 12 de novembro de 1914) foi um poeta brasileiro, identificado muitas vezes como simbolista ou parnasiano. Todavia, muitos críticos, como o poeta Ferreira Gullar, preferem identificá-lo como pré-modernista, pois encontramos características nitidamente expressionistas em seus poemas.
“Em Parnaso de Além-Túmulo, 31 títulos são atribuídos ao poeta Augusto dos Anjos (1884-1914). É a seção do livro que contém o maior número de poemas.” (Alexandre Caroli)

Chico Xavier – Francisco de Paula Cândido (Pedro Leopoldo, 2 de abril de 1910 – Uberaba, 30 de junho de 2002) foi um médium, filantropo e um dos mais importantes divulgadores do Espiritismo.
Através de sua mediunidade, foram publicados mais de 470 livros, em cartório, para instituições de caridade.
Também psicografou cerca de dez mil cartas, nunca tendo cobrado algo ao destinatário. Seus empregos foram vendedor, operário fabril e datilógrafo.

Continuar lendo

Mais Episódios