Isaías passou a vida inserido na corte da Judeia, o reino israelita do Sul. Conviveu com quatro reis da infância até a morte. E essa proximidade com a nobreza caracterizou fortemente sua atuação profética, a mais importante das registradas no Antigo Testamento.

O profeta orientou seus anos a alertar monarcas e a aristocracia para a fidelidade a Deus e as legítimas virtudes do Espírito. Foi o defensor do reino de Deus no cerne do reino dos homens.

Este é, segundo Haroldo Dutra Dias, uma síntese de toda a Bíblia, incluindo o Evangelho. O Reino de Deus em contraposição ao humano, aferrado aos valores e às vicissitudes da matéria transitória. E é também um dos temas principais deste episódio do estudo de Isaías à luz do Espiritismo.

A parte inicial do livro (até o capítulo 23) trata justamente do julgamento dos reinos do mundo. Após Israel, chega a vez de o Criador passar em revista os crimes de outros réus, outros povos.

Então, Haroldo trabalha a simbologia do Yom Kippur. Ele explica que todos os livros proféticos, mesmo o Apocalipse, tem a estrutura da cerimônia judaica que culmina com o Dia da Purificação. Ao fim do vídeo, Haroldo responde dúvidas dos amigos que acompanham a série.

Continuar lendo

Comentários

Mais Episódios