O episódio passado do estudo de Êxodo à luz do Espiritismo iniciou a análise do sétimo mandamento. “Não cometerás adultério“, diz o texto. Haroldo Dutra Dias já havia ampliado a interpretação da norma. Ela vai além do sentido estrito da fidelidade conjugal.

Aqui, como tinha adiantado, ele parte do trecho para explorar uma das mais recorrentes metáforas das escrituras. Trata-se do matrimônio, das bodas, tema de passagens e parábolas do Antigo e do Novo Testamentos. A imagem do casamento representa a culminância da relação das criaturas com Deus, em estado de comunhão.

Haroldo oferece a chave interpretativa central para esse caso. É baal, termo do ramo hebraico/aramaico que tem sentido amplo. Pode ser senhor, marido ou deidade. No caso do adultério nas tábuas de Moisés, qual desses pode ser tomado como a parte traída? Um cônjuge? Ou o Criador?

Está aí o sentido mais profundo do mandamento. Então, com destreza, Haroldo alinha livros bíblicos diferentes. Recorda a aliança com Noé e Abraão, em Gênesis, passa pela grande metáfora do Cântico dos Cânticos e conta a história do profeta Oséias. O ápice se dá com Jesus, o Messias, que, por desígnio do Pai, atua pela reconciliação com a “noiva” perdida. Isso ocorre no sublime diálogo com a mulher samaritana, no Evangelho de João.

Continuar lendo

Comentários

Acompanhar estes Comentários
Notificar-me de
2 Comentários
Mais novos
Mais velhos Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
nadia.rcarvalho

Só agora deu p entender a conversa de Jesus com a mulher samaritana no poço. Demais,,, e o “ adorar em espírito e Verdade” com o Espírito de Verdade, Será q entendi bem. Minha cabeça esta a mil com estas informações.

franciscacezarini

Maravilha de estudo amo estudar COM Haroldo,este canal ê benção Divina.

Mais Episódios

2
0
Participe da nossa comunidade! deixe seu comentário.x
()
x