Este episódio do estudo de Êxodo à luz do Espiritismo percorre caminhos diferentes. Inicia nos 80 anos de publicação de “Paulo e Estêvão” e chega a uma música de Gilberto Gil. Ele tem dois temas principais: a natureza das revelações divinas e o segundo dos Dez Mandamentos.

O romance de Emmanuel psicografado por Chico Xavier é um marco da literatura espírita. E retrata a realidade daquelas primeiras comunidades cristãs. Haroldo Dutra Dias destaca justamente o tom desmistificado com que é descrita a vida daqueles personagens.

Eram homens comuns envoltos em duras provações e hoje tidos como santos. Coube a eles a missão da transição da primeira para a segunda fase da revelação. E ressalta-se que cada uma das três compõe-se de diversas vidas e trajetórias. Moisés, Jesus e Allan Kardec são balizas, referências de grupamentos numerosos.

Entrando no estudo dos Dez Mandamentos, Haroldo abre as reflexões a respeito do segundo. Essa norma recomenda que não se cultue imagens representando Deus. Ou seja, o atributo imaterial do Criador deve ser respeitado.

Essa foi uma inovação profunda trazida pelo monoteísmo judaico. A relação entre a humanidade e a transcendência era sempre marcada por símbolos, deuses, representações das potências naturais. Como conceber tamanha revolução de culto? Como comentário ao preceito, Haroldo cita e recita a letra da canção “Quanta”, de Gil.

Continuar lendo

Comentários

Acompanhar estes Comentários
Notificar-me de
1 Comentário
Mais novos
Mais velhos Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
kfilappi

Alta percepção! Gratidão!

Mais Episódios

1
0
Participe da nossa comunidade! deixe seu comentário.x
()
x