“Vós sois deuses”, diz o Salmo 82. Jesus repetiu essa afirmação, segundo o capítulo 10 do Evangelho de João. O Mestre assegurou que, se seus discípulos quisessem, poderiam fazer tudo o que ele fazia “e muito mais”.

Como podemos ser deuses se há apenas um Deus? O que significa tão elevada titulação? Haroldo Dutra Dias inicia este episódio do estudo de Êxodo com uma importante contextualização histórica. Ele descreve a cultura religiosa de civilizações antigas, como a egípcia, a babilônica e a grega. Isso para acentuar a inovação revolucionária do monoteísmo hebreu.

O culto a um Deus único, onipotente e, além disso, imaterial significou um salto na abstração espiritual. Moisés foi o responsável pela estruturação dessa consciência e dessa prática religiosa. Em Êxodo, é ele a personagem humana mais importante.

Os Dez Mandamentos divinos, recebidos pelo patriarca, estão em análise nesta série. “Não haverá para ti outros deuses diante de mim”. Este é o primeiro, do qual se infere haver, de fato, outros deuses. Trata-se do que a literatura espírita denomina cocriadores em plano maior.

O exemplo único conhecido pela humanidade dentre essas entidades puras é o Cristo. Foi ele o principal construtor do planeta. E tem o compromisso de governá-lo até a condição de mundo celeste. Então, seremos tais como ele, deuses, mas eternamente sob os desígnios de Deus.

Continuar lendo

Comentários

Acompanhar estes Comentários
Notificar-me de
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Mais Episódios

0
Participe da nossa comunidade! deixe seu comentário.x
()
x