Livre Arbítrio

O livre-arbítrio é a capacidade de escolha pela vontade humana.

Segundo a Filosofia, o livre arbítrio é a possibilidade de decidir, escolher em função da própria vontade, isenta de qualquer condicionamento, motivo ou causa determinante. Ele indica a vontade livre de escolher, ter obter liberdade em suas decisões.

O poder de escolher suas ações: livre arbítrio

Poder escolher que caminho seguir é o aspecto principal da liberdade inerente ao livre alvedrio. Essa expressão é usada por diversas religiões, além do Espiritismo.

A história do livre arbítrio

Santo Agostinho escreveu em sua obra (de conjunto com seu amigo Evódio) “De Libero Arbitrio” de 395 D.C., em forma de diálogo. O jovem Agostinho escreveu-o em três volumes, um em 387-389 em Roma, depois de seu batismo, e os outros dois entre 391 e 395, depois de sua ordenação sacerdotal na África.

Santo Agostinho e o livre arbítrio

Este livro de Agostinho sobre a liberdade de vontade e encaminha várias teses a respeito da liberdade humana, abordando a origem do mal moral. O autor começou “De Libero Arbitrio” como parte de uma série de obras contra o maniqueísmo e argumentou em favor de aspectos do ceticismo.

Nele, Agostinho desafiou o determinismo no primeiro volume e investigou as condições da existência de Deus e do conhecimento nas outras duas partes.

Livre Arbítrio no Espiritismo

O livre arbítrio é um elemento fundamental da Doutrina Espirita. De acordo com o Espiritismo, o livre arbítrio é uma das propriedades fundamentais do Espírito. Na doutrina organizada por Allan Kardec, os atos que praticamos nos tornam responsáveis por seus efeitos.

Não existe destino e nem predestinação, existe o livre-arbítrio.

O nosso futuro é construído através das suas escolhas diárias. E é através do controle sobre nossos pensamentos e o cuidado com nossas ações, que o espírito determinam seu futuro.

A liberdade de fazer ou não alguma coisa, seguir um determinado caminho ou evitá-lo é o livre arbítrio.

O espírita sabe que os atos praticados não foram predeterminados e que é responsável pelas suas escolhas.

Por tanto, o livre-arbítrio é desenvolvido com o crescimento do conhecimento, gerando o acréscimo de responsabilização dos atos praticados.