Genoma

Genoma 1

O que é o Genoma para a Biologia?

Genoma é um código genético, que possui toda a informação hereditária de um ser, e é codificada no DNA.

O genoma é portanto o conjunto de características genéticas e hereditárias que compõe cada indivíduo e que o tornam único e diferente dos demais. Esta carga genética não se aplica apenas aos humanos, mas também aos animais, plantas e outros seres vivos.

As doenças hereditárias também estão escritas no genoma.

O DNA é composto por sequências de unidades chamadas nucleotídeos, ou bases, e há quatro bases diferentes: adenina (A), timina(T), guanina (G), e citosina (C). A ordem das quatro bases na fita do DNA determina o conteúdo informacional de um determinado gene, ou segmento, ou seja, a cor do cabelo, a cor dos olhos, a altura do indivíduo, aspecto da nossa personalidade, etc.

A biotecnologia e o Genoma

Em biotecnologia, o genoma é toda a informação hereditária de um organismo que está codificada em seu DNA. Isto inclui tanto os genes como as sequências não-codificadoras (conhecidas como intrão ou ADN-lixo, ou junk ADN – já não é um termo muito usual, apenas não se sabe ao certo a sua função na célula).

Esta é a definição científica, de um ponto de vista materialista, do Genoma.

A visão espírita do Genoma

A visão vista espírita, é construída, sobretudo, nos trabalhos dos Espíritos André Luiz e Emmanuel, através da psicografia de Chico Xavier e Waldo Vieira, publicados a partir da segunda metade do século vinte.

Através da leitura de livros como Evolução em Dois Mundos, sabemos que foram necessários longos séculos no meticuloso preparo das células que embasariam o reino vegetal e que tornaram possível o desenvolvimento do princípio inteligente no aspecto fisiopsicossomático.

O Espiritismo frente às pesquisas sobre o genoma humano

O Espiritismo nos ensina que o Genoma é o livro que traz codificado as nossas características físicas e morais, porém não é a base fundamental da vida humana.

O Genoma é como um livro de receitas que nos mostra como estávamos ao reencarnar, contudo podemos modificá-lo com nossa força de vontade, com nosso livre-arbítrio, com nossa fé.

Os genes deletérios poderão ser neutralizados de acordo com nosso padrão mental, ou genes “adormecidos” podem ser ativados por comportamentos inadequados. Portanto a chave de nosso destino encontra-se em nossas mãos, em nossas escolhas, em nossos Espíritos.