Espírita

Segundo Allan Kardec em O Evangelho segundo o Espiritismo no Capítulo XVII – Sede perfeitos no item “Os bons espíritas“, o verdadeiro espírita:

Chico Xavier foi o maior médium da história do Espiritismo no Brasil.
Chico Xavier é um exemplo de verdadeiro espírita

Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más. Enquanto um se contenta com o seu horizonte limitado, outro, que apreende alguma coisa de melhor, se esforça por desligar-se dele e sempre o consegue, se tem firme a vontade.

Segundo Kardec, os espíritas imperfeitos, são aqueles que recuam ante a obrigação de se reformarem, ou então guardam as suas simpatias para os que lhes compartilham das fraquezas ou das prevenções.

Já aceitação do princípio da doutrina como um primeiro passo, lhes tornará mais fácil o segundo, noutra existência.