Chico Xavier

Francisco de Paula Cândido ou, como ficou conhecido, Chico Xavier, nasceu em Pedro Leopoldo, Minas Gerais, em 2 de abril de 1910 e desencarnou em 30 de junho de 2002.

Foi um médium, filantropo e um dos mais importantes divulgadores do Espiritismo no mundo.

Filho do operário João Cândido Xavier e da doméstica Maria João de Deus, nasceu na cidade de Pedro Leopoldo. A desencarnação de dona Maria João de Deus, deu-se a 29 de setembro de 1915, quando o Chico tinha apenas 5 anos.

Seu nome de batismo, Francisco de Paula Cândido, em homenagem ao santo do dia de seu nascimento, foi substituído pelo nome paterno de Francisco Cândido Xavier logo que psicografou os primeiros livros, mudança oficializada em abril de 1966, quando chegou da sua segunda viagem aos Estados Unidos.

O pai de Chico casou-se novamente, desta feita com Cidália Batista.

No ano de 1927, funda em Pedro Leopoldo, junto com outras pessoas, o Centro Espírita Luiz Gonzaga.

O primeiro livro de Chico Xavier

Seu primeiro livro, Parnaso de Além Túmulo de 1932, no qual psicografou por 56 poetas desencarnados, compreendendo brasileiros e portugueses. Esta obra lhe gerou um processo que ficou famoso à época.

Após esse acontecimento, Emmanuel, seu mentor, passou a escrever com Chico seus livros.

Chico morou grande parte da sua vida em Uberaba, Minas Gerais e dos quatro empregos que teve, por 32 anos trabalhou na Escola Modelo do Ministério da Agricultura, em Pedro Leopoldo e Uberaba, nesta última cidade, a partir de 1959, quando para lá se transferiu.

 

Obra e Vida de Francisco Cândido Xavier

Ao longo de seus 75 anos de mandato mediúnico tornaram-se incontáveis os títulos honoríficos a que fez jus:

  • Dezenas de cidadanias;
  • Mais de uma centena de biografias;
  • Instituiu-se a Comenda da Paz Chico Xavier, por decreto estadual;
  • Comenda Chico Xavier instituída pela Prefeitura Municipal de Pedro Leopoldo;
  • O Mineiro do Século, por promoção da Telemar e da Rede Globo Minas, etc, etc;
  • O Maior Brasileiro da História por promoção da Revista Época – 2006.

Com 50 milhões de livros vendidos em vários países, traduzido para mais de dez idiomas, milhares de psicografias e com todos os direitos doados, Chico escreveu incansavelmente dos anos 30 aos anos 90, contribuindo para a popularização do espiritismo codificado por Allan Kardec no Brasil e no Mundo.